Posts Tagged ‘filmes’

h1

Beleza brasileira

22/02/2011

Lembro a primeira vez que assisti ao filme Beleza Americana. Foi na escola, na aula de Psicologia, no 2º ano do ensino médio, no Instituto Superior de Educação do Rio de Janeiro, em 2001. Achei o filme louco e, especialmente o filminho da sacola plástica voando, absolutamente irracional.

Mas o tempo passa, as coisas mudam e hoje eu consigo apreciar o filme, vendo-o com outros olhos, os olhos de 10 anos depois, encontrando entrelinhas e entendendo críticas. Ou pelo menos acho que entendo, acho que encontro. Talvez encontre a mim mesma e não a nada que alguém quis dizer.

Foram esses mesmos outros olhos que flagraram uma cena inusitada. Andava eu pela praia da Ferradura, em Búzios, com uma câmera na mão, procurando um momento para eternizar, quando encontrei a própria eternidade. Tudo vai e vem, tudo nasce e morre num movimento ininterrupto e nem um pouco constante. Foi isso que aquele côco me disse. Veja o vídeo.

Anúncios
h1

Mamute Otelo

25/01/2011

A maioria das pessoas que conheço não gosta de assistir a filmes dublados. Para mim, sinceramente, isso não é muito importante. Vou te dizer que em algumas situações até os prefiro. Vez por outra, em casa, procuro um filme dublado na TV e deixo rolando enquanto faço coisas mil; fato que seria impossível com filmes legendados, visto que eles exigem atenção exclusiva. As animações eu também prefiro dubladas, pois assim eu posso focar a imagem. Creio que quando lemos as legendas, perdemos muito do visual dos filmes.

Porém, ainda que, conceitualmente, eu não tenha nada contra os filmes dublados, há algumas situações que, digamos, me perturbam um pouco. Uma delas é quando eu percebo que um mesmo ator possui dois dubladores, é o caso, por exemplo, do Will Smith; a voz dele nos filmes nunca é a mesma da do seriado Um Maluco no Pedaço. Isso me deixa confusa, gera uma crise na minha percepção da identidade do ator e eu levo um tempo pra conseguir me concentrar no filme, juro, é idiota, mas é verdade. Outro problema pra mim – este se dá somente quando assisto a animações – é quando eu identifico o dublador de um personagem. Quando vi UP – Altas Aventuras, assim que o Sr. Fredricksen abriu a boca, saquei que a voz era do Chico Anísio e, na minha mente, piscava com muita intensidade a cara do prof. Raimundo. Nesse caso eu também levei um bom tempo pra concentrar no filme e deixar o Chico Anísio pra lá.

Este último caso que citei, entretanto, nem se compara em gravidade com outra situação do mesmo gênero que vivi. Pouco tempo depois de assistir Era do Gelo 2 no cinema, fui ao teatro assistir Otelo, de Shakespeare. Bom, você deve estar se perguntando o que uma coisa tem a ver com a outra. Eu poderia responder que, em princípio, não tem realmente nada a ver. O grande problema é que essa montagem de Otelo era estrelada pelo Diogo Vilela que é, nada mais, nada menos, QUE O DUBLADOR DO MAMUTE MANFRED DA ERA DO GELO. Vocês podem imaginar? O Otelo abria a boca – na pele do Diogo Vilela – e meu cérebro só me mostrava a cara do Mamute Manfred. Dessa vez, não consegui me desligar da memória e me concentrar no agora. Nunca vi uma tragédia shakespeariana tão engraçada!

Esse post faz parte da iniciativa de um grupo de amigos: nós combinamos de no mesmo dia postar um texto sobre o mesmo tema nos nossos blogs! Dá uma conferidinha!

Blog da Pri

Blog do Vinícius

Blog do Diogo

Blog do Jônatas

VOCÊ SABIA?


Você sabia que no dicionário do Word 2007 não consta a palavra dublador?

Pois é, não consta.

Você sabia que filme legendado é mania de brasileiro?

No resto do mundo ninguém dá importância a isso.